0

algumas percepções sobre cartagena.

20160208180706

no litoral tudo é sempre mais caro.

testes no sitema de transporte são ótimos quando a gente não tem que pagar tarifa.

é bom pedir informação sempre. a cada dois passos.

carroças e cavalos tornam tudo turístico, não importa o lugar.

varandas com flores e trepadeiras tornam qualquer arquitetura mais bonita.

os moradores de rua daqui são os que mais me comoveram por sua aparência.

souveniers e lembrancinhas são mais bonitas e mais baratas no aeroporto do que na própria cidade.

cartagena atrai turistas de todos os lados, e de todas as faixas etárias.

não existe lugar no mundo que não seja dominado por brasileiros.

sair da rotina me faz sentir mais falta ainda de alguém por aí.

viajar e fazer loucuras me faz querer ele junto, sempre.

barra livre é barra livre em qualquer lugar do mundo.

um homem e uma mulher podem entrar no banheiro feminino e fazer o que quiserem sem ninguém falar nada. por alguns minutos.

banheiro feminino é sempre o melhor lugar pra puxar papo.

tenho taxistas bff em todas as cidades pra onde já fui.

existe um serviço de taxi coletivo. você enche um taxi com pessoas aleatórias e paga uma tarifa muito mais barata. tudo isso já super programadíssimo.

sinto saudades demais dos meus outros amigos que ficaram em medellín. isso significa que tenho que começar a me preparar pra quando a gente realmente for embora.

cartagena é um bom lugar pra dar a volta ao mundo.

policiais sempre se fingem de cegos quando convém.

pilsen/águila em garrafas grandes são sempre a melhor bebida, mesmo quando esquentam.

tudo se aprende observando, aprendi a servir cerveja direito.

ouvi dizer que argentinos são melhores que brasileiros na cama :b

cartagena é linda.

as arepas de cartagena são baita boas.

é bom um pouco de solidão às vezes. ter privacidade. um quarto só pra mim. sentar na beira mar e pensar na vida.

combinado não sai caro pra ninguém, que fique claro.

as pessoas acham que eu to bêbada quando nem picada eu to.

é bom estar em um país onde você pode falar “piroca” super alto e ninguém percebe. só ficar de olho se os turistas brasileiros não estão por aí.

turistas brasileiros não se integram tanto à cultura local quanto os outros latinos e os europeus.

não sei se conseguiria viver em uma cidade histórica, apesar de ser bom demais se perder nas ruas quando as construções são mais antigas.

galera de hostel sempre sabe das coisas

chega de sair de casa sabendo que vai ter sol sem passar protetor solar.

usar biquini só quando tiver certeza que vai pra praia (retiro o que eu disse).

bares e cafés cult nem sempre são os mais gostosos – mas são aconchegantes e nem sempre são caros.

empanadas argentinas vão sempre ser as melhores.

me emociono quando leio “parrilla argentina” em algum lugar. me emociono quando leio “quilmes”. me emociono com uma foto do messi. me emociono quando escuto o sotaque argentino.

uma menina com tatuagem na coxa, na colômbia, chama bastante atenção.

andar de bicicleta com os amigos é bom demais. tem trabalho em grupo, interação, mas tem muita individualidade também.

vão de lancha pra ilha barú. sério. ou pelo menos, voltem.

hostels são a melhor coisa pra auto conhecimento da nossa individualidade.

pub crawls organizados por nós mesmo, no improviso, podem ser muito legais. muito.

sou sempre a que agita pra beber, independente do cansaço.

a gente tem que ser desencanado com a vida. sem neura. sem crise. sempre um plano b e um cartão de crédito internacional pra ajudar.

😉